search
W3vina.COM Free Wordpress Themes Joomla Templates Best Wordpress Themes Premium Wordpress Themes Top Best Wordpress Themes 2012
top

A mulher no Paquistão

A mulher no Paquistão é oficialmente tratada como um objeto descartável.

Sem mais nem menos, Shahnaz Nazli, professora de um colégio feminino, 41 anos, foi assassinada por dois homens no caminho de seu trabalho no Paquistão. Ser professora – e de meninas – parece ser uma profissão muito perigosa, ainda mais perto da fronteira do Afeganistão, onde há uma forte presença islamista. Esse crime está diretamente ligado a outros para afugentar e impedir a educação das meninas e mulheres nessas fronteiras.

Lembram o ocorrido com Malala, uma menina que foi severamente atacada e ferida por escrever em um blog sobre o Direito à Educação das meninas?

paquistao1Pois bem: um dos casos de violência contra a mulher mais chocantes em 2012 aconteceu no Paquistão, onde a garota Malala Yousafzai, de 15 anos, foi atacada por membros do Talebã enquanto voltava da escola. Malala, que escreve em um blog sobre as dificuldades que encontra em seu país e defende a educação para as mulheres, foi abordada no ônibus e baleada na cabeça. A garota sobreviveu e se recupera.

Apesar de não gostar de ficar escrevendo sobre estatística e números, nesse caso será a melhor forma de explanar a situação da conjuntura desse país e seus reflexos na vida das mulheres. Em primeiro lugar, como sempre digo, a nossa maior arma e instrumento é a conscientização, o conhecimento. Enfim, estamos tratando de um país onde a taxa de analfabetismo beira o índice de 70% para as mulheres e para os homens não chega a 40% (que também considero um índice altíssimo).
Os reflexos no mercado de trabalho pioram. A mulher não tem espaço, já que para nasceu para cuidar da casa e dos filhos.

Imaginem as mulheres que vivem em regiões tribais do país, onde a lei que prevalece é a dos donos de grandes lotes de terras. E quando as famílias de menor renda contraem dívidas ou ocorrem discussões entre famílias, eles resolvem o problema ou quitam sua dívida com a outra família oferecendo ou vendendo uma filha que sofrerá as piores torturas e violências inimagináveis, inclusive assassinato, sem leis que os punam.

A religião tem uma parcela de culpa nesse cenário. Enquanto o país vive ainda sob tradições da Idade Média, a população mais desfavorecida é a que mais sofre.

A morte é uma presença diária na vida de uma paquistanesa, fora ou dentro de casa. O medo é constante. Elas não têm paz, vivem sob o forte regime e regras do Talebã. Só saem de casa acompanhadas pelo homem da família e com suas burcas ou lenços cobrindo todo seu corpo e rosto.

Creio que viver assim não traz a ninguém a possibilidade de acreditar em qualquer sonho, nem planejar um futuro.

Ensinaram-me que, segundo o Islã, a educação
é obrigatória para todo o homem e toda a mulher,
mas os talebãs destruíram nossas escolas“,
frase de uma jovem paquistanesa

Aproximadamente há dois anos, um grupo de talebãs paquistaneses lançou uma campanha armada para estabelecer a lei islâmica. Depois de longos meses de conflito, autoridades paquistanesas negociaram um acordo prevendo que a aplicação dessa lei trouxesse paz. Hoje o Paquistão vive um regime totalmente fundamentalista.

Apesar do acordo não entrar totalmente em vigor, as regras do talebã, sim, essas estão prevalecendo.

Segundo as autoridades locais, 191 escolas foram destruídas nos últimos anos, sendo que 122 eram para mulheres, deixando 62 mil meninas sem acesso à educação mínima.

Huma, professora e mãe de duas crianças, ensina às próprias filhas em casa: “Eu não posso nem sequer lhes dizer como faço para ir à escola. Devemos usar a burca. Todos os dias, ou quase, penso em deixar o meu trabalho que, por incrível que pareça, torna-se perigoso”.
Apesar de ser uma mulher que sempre estudou e ganha a própria vida, não tem liberdade sequer de ir a um supermercado sem o homem da família.

A vida que levamos é insípida, sem nenhum tipo de lazer.
Não há televisão a cabo, cinema, música.
Não posso nem ir ao mercado“, lamenta-se Huma

As mulheres não podem utilizar maquiagem, aliás, todas as lojas de artigos femininos estão fechadas.

O acesso a saúde é precário e pior patrulhado, num hospital onde as mulheres, mesmo doentes, não são aceitas se não estiverem acompanhadas de um homem. E se, por ventura, alguma mulher vai sozinha, corre o risco de ser alvejada.

Muitas mulheres fugiram. Mulheres que antes tinham acesso à educação foram embora para cidades grandes próximas como Peshawar ou Islamabad, porém não conseguem emprego para sua subsistência, para se instalarem.

Agora, num cenário como esse, como pensar em direitos, em emancipação das mulheres, se a cada minuto que passa, a maior luta e prioridade delas é a sobrevivência?

As imagens a
baixo descrevem mais do que palavras:

Chocante: mulheres queimadas com ácido no Paquistão

Fonte das imagens e textos abaixo: www.mentesmodernas.com.br

Em pleno século XXI, ainda existem casos chocantes e inacreditáveis como esses. Mulheres deformadas e queimadas com ácido. As imagens são chocantes, e bem que poderiam servir de alerta a esse tipo de impunidade.

paquistao2

Irum Saeed, 30 anos, no seu trabalho em Urdu University of Islamabad, Paquistão. Irum foi queimada na face, costas e ombros há 12 anos quando quando rejeitou um homem. Passou por 25 cirurgias plásticas.

paquistao3

Shameem Akhter, 19 anos, na sua casa em Jhang, Paquistão. Shameem foi violada por três rapazes que depois lhe atiraram ácido, três anos atrás. Passou por dez cirurgias plásticas para recuperar das cicatrizes.

paquistao4

Najaf Sultana, 16 anos, na sua casa em Lahore, Paquistão. Com 5 anos, Najaf foi queimada pelo próprio pai quando estava a dormir, porque ele simplesmente não queria mais mulheres na família. Como resultado, ela foi deixada cega e depois abandonada pelos pais. Vive agora com familiares. Passou por 15 cirurgias plásticas.

paquistao5

Shehnaz Usman, 36 anos, em Lahore, Paquistão. Shehnaz foi queimada com ácido por um familiar devido a uma disputa familiar há cinco anos. Passou por dez cirurgias plásticas.

paquistao6

Shahnaz Bibi, 35 anos, em Lahore, Paquistão. Há dez anos foi queimada com ácido por um parente devido a uma disputa familiar. Nunca passou por cirurgias plásticas.

paquistao7

Kanwal Kayum, 26 anos, em Lahore, Paquistão. Kanwal foi queimada com ácido há um ano por um rapaz que ela rejeitou para casar. Nunca passou por cirurgias.

paquistao8

Munira Asef, 23 anos, em Lahore, Paquistão. Munira foi queimada com ácido há cinco anos por um rapaz que ela rejeitou para casar. Passou por sete cirurgias para recuperar das cicatrizes.

paquistao9

Memuna Khan, 21 anos, em Karachi, Paquistão. Menuna foi queimada por um grupo de rapazes que lhe atirou ácido para terminar com uma disputa entre a sua família e a família de Menuna. Passou por 21 cirurgias plásticas.

paquistao10

Zainab Bibi, 17 anos, em Islamabad, Paquistão. Zainab foi queimada com ácido atirado por um rapaz que ela rejeitou para casar há cinco anos. Passou por diversas operações plásticas.

paquistao11

paquistao12Naila Farhat, 19 anos, em Islamabad, Paquistão. Naila foi queimada na cara com ácido por um rapaz que ela rejeitou para casamento. Passou por diversas cirurgias plásticas.

Saira Liaqat, 26 anos, em Lahore, Paquistão, segura uma foto sua antes de ter sido queimada. Quando ela tinha 15 anos, foi casada com uma pessoa que depois insistiu muito para que ela vivesse com ele. Como Saira disse que só se juntaria a ele depois de terminar os estudos, ele queimou-a com ácido. Passou por nove cirurgias plásticas.

Fonte: www.mentesmodernas.com.br

http://delas.ig.com.br/mulher/no-paquistao-as-mulheres-vivem-a-merce-dos-talibas-no-vale-de-swat/n1237492848658.html

http://www.pedalnaestrada.com.br/pages.php?recid=345

10 Responses to “A mulher no Paquistão”

  1. Soeiro diz:

    Bela artigo Rita e que fotos impressionantes, e conclui-se que as pessoas que fizeram isso com elas não consideram como seres humanos, consideram como uma raça inferior.
    Bjs
    Soeiro

  2. margarete diz:

    eu sou brasileira e tenho um namorado paquistanes ha1 ano e3 meses , eu nao sei o que ele pensar mas ele outro pensamento , mas estar me fazendo muitas exigencias me proibe de quase tudo sobre roupas . eu amo mas tenho medo

    • Leon Strauss diz:

      Sai fora! Aceita JESUS CRISTO que É AMOR , ACEITA A BÍBLIA E SAI FORA DESSE MONSTRO!

    • Rita Fraga diz:

      Como você mesma diz ele é diferente. Mas você pensou ao contrário? você é diferente? Enfim, o que eu quero dizer que é a união de duas culturas bem diferentes, que se amam e querem ficar juntas, vão surgir obstáculos? Com certeza, terá que ser dialogado, conversado, mas você não pode esquecer as suas raízes, seus anseios e de forma nenhuma você pode se anular. Você tem que se amar acima de qualquer pessoa.
      Viver um relacionamento amedrontada? Uma relação deve ser de cumplicidade, carinho, amor, harmonia, companheirismo. Sugiro que você leia o livro o Salão de Beleza de Cabul, ele retrata a relação de uma americana com um Afegão.

      Aproveite também e leia nosso artigo:

      Você já sofreu violência doméstica? Não. Tem certeza?

    • Giovanna diz:

      Meus Deus e vc ainda pensa em se casar com um cara assim? olhe bem para as imagens acima e pense bem na sua vida, garota… o amor pode te custar muito caro .

  3. Leon Strauss diz:

    Até as tiristas são HOSTILIZADAS ! NÃO RESPEITAM MULHER DE JEITO ALGUM!
    NAMORAR HOMEM PAQUISTANÊS É MUITA NECESSIDADE!
    http://www.extremos.com.br/noticias/130625_paquistao_melhor_do_que_ir_e_voltar/

  4. Sandra Janaina diz:

    impressionante parabéns pela matéria, isso nos mostra como devemos valorizar nossa liberdade em escolher os nosso companheiros, nossa profissão, nossas vestimentas, o que comemos, principalmente a possibilidade que temos de estudar e sermos intelectuais. Onde muitas mulheres no Brasil perdem muito tempo com futilidades, exposição de corpo entre outros. Essa matéria deixa com certeza uma reflexão. Mas acredito que grande parte das mulheres estarão em alguma acadêmia, rebolando até o chão ou sonhando em ser uma “mulher fruta”.

  5. jackson geovani diz:

    a situação das mulheres nos paízes muçulmanos são uma vergonha pra humanidade .os homens que cometem estes atos animalescos deveriam ser fuzilados em praça publica

  6. FLAVIA diz:

    Estou lendo o livro da Malala e é muito triste ver essas coisas acontecendo ainda hoje. A maldade é tanta que eles queimam as mulheres no rosto para deformá-las e não se casarem. No fundo isso só mostra a fraqueza do homem em reconhecer a mulher como sua companheira e não rival.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


× 9 = 27

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

top